05/09/1934

Depois de não ter dormido,

Depois de já não ter sono,

Interminável madrugada em que se pensa sempre sem se pensar,

Vi o dia vir

Como a pior das maldições –

A condenação ao mesmo.

Álvaro de Campos

 

 

Coisa feia é cuspir nos dias que trouxeram até aqui,
mas é certo que esses meses merecem mais que escarros:
socos e pontapés ainda seriam  pouco.

Fiz feliz umas pessoas durante um instante. Depois joguei
tudo no lixo: e elas sofreram por dois instantes.

Eu não mereço esse sorriso e nem toda essa compreensão.
O que você chama de gênio, eu vejo como falta de caráter,
e isso está cheio em mim.

E foi esse mar de nada que me trouxe até você. E você não tem
de me estender as mãos, porque, eu sei, não vou saber segurá-las
depois.

Tive os planos frustrados, os conceitos pisoteados e o coração
despedaçado. Mas foi tudo minha culpa – sonhar é pra quem sabe, e
hoje eu já nem durmo mais – e eu só tento é manchar as mãos dos deuses
todos.

Não vou ser melhor e nem peço sorrisos pelas calçadas. Tem uma rosa
em cima da mesa, morrendo como morrem as lembranças primeiras.

Vai ficar tudo aqui:”em eterna exposição”.